Rio Grande do Sul

BALANÇO

Rio Grande do Sul tem 149 óbitos e 3.735 casos confirmados de covid-19

Atualização do Distanciamento Controlado pelo governo gaúcho retirou bandeira vermelha da região de Lajeado

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Em todo o Brasil, são 16.118 vítimas e 241.080 casos confirmados do novo coronavírus - Silvio Ávila

O município de Passo Fundo confirmou mais dois óbitos em decorrência do novo coronavírus na manhã desta segunda-feira (18). Com isso, a cidade do Planalto Médio gaúcho volta a ser a que mais registra mais mortes no estado, somando 24. Porto Alegre tem 21.

Desde a noite de domingo (17), também foram confirmadas duas mortes em Sapucaia e uma em Montenegro. Essas cinco mortes ainda não foram computadas no boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES). Somadas aos 144 óbitos confirmados pela SES até às 18h de domingo, já são 149 mortes por covid-19 em solo gaúcho. A taxa de letalidade é de 3,9%.

O número de pacientes com casos confirmados de covid-19 no RS é de 3.735, em 224 municípios. Desses, 2.218 já são considerados recuperados, enquanto 1.373 ainda estão com a doença ativa. Conforme os dados da SES, a taxa de incidência na população gaúcha é de 32,8 pessoas infectadas para cada 100 mil habitantes. Em todo o Brasil, a taxa de incidência é de 96,9.

O monitoramento dos leitos adultos de UTI no RS, que leva em consideração os leitos da rede pública e da privada, aponta uma taxa de ocupação de 72,9%. De um total de 1.736 leitos, 1.266 estão ocupados no estado. Desses, 129 estão ocupados por pacientes com covid-19 confirmada, 94 por pacientes com suspeita de covid-19 ou outra Síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e 1.043 estão internados com outros problemas de saúde.

Quando observado pelo recorte das 20 regiões covid com o qual a SES divide o RS, quatro apresentam uma taxa de ocupação dos leitos sinalizada em vermelho, que indica ocupação entre 80% e 100%. Santa Rosa tem 22 dos 26 leitos ocupados (taxa de ocupação de 84,6%), Passo Fundo tem 90 dos 111 leitos ocupados (taxa de 81,1%), Cachoeira do Sul tem 9 dos 10 leitos ocupados (taxa de 90%) e Capão da Canoa tem 34 dos 41 leitos ocupados (taxa de 82,9%).

Classificação no Distanciamento Controlado

A classificação das regiões de acordo com as bandeiras determinadas pelo Distanciamento Controlado foi atualizada pelo governo do estado neste sábado (16). A única região que estava com bandeira vermelha na semana passada, de Lajeado, passou para a laranja. Já a região de Uruguaiana, que estava classificada como amarela, passa para a bandeira laranja. Para consultar o mapa e a bandeira de cada cidade, acesse o site https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br.


Atualização senanal das restrições do isolamento no RS / Divulgação SES

O governo explicou que a mudança da bandeira vermelha para amarela da região de Lajeado deve-se à melhora em dois indicadores de velocidade do avanço de coronavírus – número de casos semanais e variação no número de internados por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em UTI. O número de casos semanais foi de um crescimento de 20% para uma queda de 17%, e a variação no número de internados por SRAG em UTI se reduziu em 7%.

No caso de Uruguaiana, que subiu de amarela para laranja, o fator predominante para a alteração foi o acréscimo de quatro casos confirmados pelo teste moleculares (RT-PCR) nos últimos 14 dias. Na semana passada, a soma das últimas duas semanas era de dois casos confirmados por RT-PCR, número que aumentou para seis nos últimos 14 dias. Essa velocidade de crescimento justifica a alteração de bandeira na região de Uruguaiana.

:: Saiba como funciona o modelo ::

Atualmente, o cálculo para definição das bandeiras considera somente os casos que tiveram resultado positivo de testes RT-PCR. Casos confirmados por meio de testes rápidos não entram na conta, inclusive os da pesquisa sorológica do próprio governo, liderada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). A terceira fase do estudo da UFPel aponta que, para cada caso confirmado de covid-19 no estado há outros nove não identificados.

A área técnica vem debatendo a possibilidade de alterar os critérios de contabilização, mas a medida encontra resistência por parte do governador Eduardo leite (PSDB). A atualização do modelo com os positivos de testes rápidos teria um efeito no Distanciamento Controlado, colocando regiões em situação de maior restrição que a atual

Situação no Brasil

O Brasil chegou 241.080 casos confirmados de covid-19, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde neste domingo (17). Desde o último balanço, publicado no sábado, foram confirmados 7.938 novos casos da doença. Foram registradas mais 485 mortes nas últimas 24 horas, o número de vítimas chegou a 16.118 .

Segundo o ministério, há 130.840 pacientes em acompanhamento (54,3% do total)️ e  94.122 recuperados (39,0%). São Paulo segue como o estado com mais casos confirmados: são 62.345 casos de pessoas infectadas e 4.782 mortes. Em seguida está o Ceará, que passou, com 24.255 infecções e 1.641 óbitos. 

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns, como a síndrome respiratório do Oriente Médio (MERS) a crises mais graves, como a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19. 

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]

Edição: Marcelo Ferreira