Rio Grande do Sul

BALANÇO

Rio Grande do Sul tem 291 mortes por covid-19 e mais de 12 mil infectados confirmados

Em todo o Brasil são mais de 700 mil casos e 37 mil mortes segundo informações compiladas pelas Secretarias de Saúde

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Aumento de internações por covid-19 em UTIs de Porto Alegre levou prefeito a suspender novas flexibilizações - Silvio Ávila

Com mais cinco mortes confirmadas pela Secretaria Estadual da Saúde nesta segunda-feira (8), o Rio Grande do Sul acumula 291 vítimas da covid-19 desde o início da pandemia. Os registros são das cidades de Cachoeirinha (mulher, 67 anos), Carlos Barbosa (mulher, 75 anos), Caxias do Sul, (homem, 79 anos), São Gabriel (homem, 62 anos) e Vacaria (mulher, 77 anos).

Nas últimas 24 horas, foram confirmados 122 novos casos da doença, totalizando 12.250 pacientes infectados no estado. Conforme dados da SES, 10.216 pessoas (83%) já estão curadas, enquanto 1.734 seguem em acompanhamento. O novo coronavírus já é registrado em 329 dos 497 municípios gaúchos.

As cinco cidades mais atingidas pela covid-19 no RS, classificadas pelo número de óbitos, são: Porto Alegre (44 mortes e 1.141 casos confirmados), Passo Fundo (35 mortes e 889 confirmados), Lajeado (19 mortes e 1.390 confirmados), Bento Gonçalves (19 mortes e 676 confirmados) e Sapucaia do Sul (9 mortes e 157 confirmados).

Porto Alegre tem aumento de internações por covid-19 em UTIs

Os dados da capital seguem desatualizados no levantamento estadual. Segundo atualização mais recente da Secretaria Municipal da Saúde, Porto Alegre tem 1.712 casos confirmados e 45 óbitos. A cidade apresentou uma alta de internações em leitos de UTI por pacientes com covid-19 desde sexta-feira (5), subindo de 46 para 62 leitos ocupados. Apresenta ainda 36 pacientes internados com suspeita da doença.

A escalada de internações colocou a prefeitura em alerta e fez com que o prefeito Nelson Marchezan Junior (PSDB) suspendesse a nova rodada de flexibilizações de restrições a setores econômicos que estava prevista para esta semana. Estavam previstas a ampliação da capacidade de operação de templos religiosos e igrejas e a liberação de esportes coletivos, feiras de artesanatos, como o Brique da Redenção, cursos livres, entre outras medidas.

Brasil ultrapassa 700 mil casos e 37 mil mortes

Segundo informações compiladas pelas Secretarias de Saúde (Conass) dos estados brasileiros, o número de infectados pela covid-19 até esta segunda-feira (8) chegou a 707.412. Foram registrados 15.654 novos casos nas 24 horas entre os dias 7 e 8 de junho. Ainda de acordo com as informações divulgadas, 37.194 pessoas já morreram por causa da doença. De domingo para segunda-feira, foram registrados 679 novos óbitos.

A partir desta semana, o Brasil de Fato passa a divulgar os dados nacionais disponibilizados pelo Conass. O procedimento foi definido após dias de sucessivos atrasos na divulgação, mudanças nas contagens dos mortos por parte do Ministério da Saúde e até mesmo queda do site sobre pandemia, mantido pela pasta.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns, como a síndrome respiratório do Oriente Médio (MERS) a crises mais graves, como a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19. 

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]

Edição: Marcelo Ferreira