Rio Grande do Sul

Pandemia em números

RS tem mais de 279 mil infectados e 6,2 mil vítimas fatais por conta da covid-19

Foram registrados, nas últimas 24h, 1.284 novos casos do novo coronavírus e 24 óbitos no estado

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Mapa definitivo traz sete regiões em bandeira vermelha - Divulgação SES SEPLAG

Com 24 óbitos registrados nas últimas 24 horas, conforme boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES) divulgado nesta segunda-feira (16), sobe para 6.243 o número de vítimas por covid-19 no Rio Grande do Sul. O estado também já registra 279.872 infectados pela doença, com a confirmação de 1.284 novos casos pela SES. Dos confirmados, 260.237 (93%) são considerados recuperados.

As vítimas fatais registradas hoje foram em Porto Alegre (3), Gravataí (2), Venâncio Aires (2), Canoas, Esteio, Ijuí, Carazinho, Santo Ângelo, Capão da Canoa, Estância Velha, Vacaria, Santiago, Arroio do Meio, Nova Hartz. Rio Pardo, São Jerônimo, Tapes, Catuípe, São José dos Ausentes e Salvador das Missões. 

A taxa de ocupação de leitos de UTI no estado estava em 75%, às 18h de hoje, sendo 1.897 pacientes em 2.531 leitos de UTI. Já em Porto Alegre, a taxa de ocupação fechou a segunda-feira em 89,66%. 

Perfil dos infectados

Dos casos confirmados da doença no estado, 44% são mulheres (136.213) e 51% (143.659) homens. A maioria dos casos compreende pessoas de 30 a 39 anos (63.2508 casos). Já em relação à raça, a predominância é de pessoas declaradas brancas, com 222.786, seguido de não informados (28.417), pretos (13.128), pardos (10.256), amarelos (4.149) e indígenas (1.136). 

No estado, 17.682 profissionais da saúde foram diagnosticadas com a doença, assim como 10.201 imigrantes e 911 pessoas privadas de liberdade.

Mapa definitivo tem 7 regiões em vermelho

De acordo com o mapa  definitivo da 28ª rodada do Distanciamento Controlado, divulgado nesta segunda-feira, o estado terá, a partir desta terça-feira (17/11), sete regiões em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto). O Gabinete de Crise deferiu, nesta segunda-feira (16/11), quatro pedidos de reconsideração enviados por municípios e associações regionais. 

Conforme o governo do estado, foram atendidos os pedidos de reconsideração das regiões Covid de Porto Alegre, Passo Fundo, Guaíba e Caxias do Sul. Na análise, a equipe técnica rejeitou os pedidos das regiões de Novo Hamburgo, Santo Ângelo e Santa Rosa, que permanecem na bandeira vermelha, ao lado de Capão da Canoa, Canoas, Cruz Alta e Ijuí, que não entraram com recursos.

Com essa definição, 25,8% da população gaúcha (2.928.206 pessoas) se encontra em regiões classificadas como de risco epidemiológico alto. No mapa preliminar, era 66,5% – 7.528.700 habitantes do Rio Grande do Sul.

Segundo o executivo estadual, em Porto Alegre, os indicadores apontam para uma estabilidade na propagação da covid-19 e na capacidade de atendimento. A taxa de ocupação de UTIs se encontra na faixa de 76%, com pressão maior sobre leitos de UTI da rede privada. “O que mais pesou na média final foi a situação macrorregional (Novo Hamburgo, em especial) e estadual como um todo e por isso a equipe técnica entende como cabível deferir o pedido para que a região se mantenha na laranja’, destaca.

Ainda conforme aponta o executivo, em Passo Fundo, o recurso foi aceito porque a região tem taxa de ocupação de leitos de UTI abaixo de 80% (79,4%) e, de leitos SUS, abaixo de 66,9%.

Já o recurso da região de Caxias do Sul foi aceito porque, apesar do aumento significativo desta semana, os indicadores são similares aos de outras semanas. E Guaíba, apesar da piora importante nos indicadores, a capacidade de leitos do local ainda é confortável. O aumento de casos não foi suficiente para pressionar o sistema, então com 58,7% de taxa de ocupação em UTI e 24,2% de leitos clínicos.

Das 21 regiões Covid, apenas Uruguaiana, Bagé e Guaíba não aderiram ao sistema compartilhado. As outras 18 já adotam protocolos alternativos às bandeiras definidas pelo governo – Cachoeira do Sul, Canoas, Capão da Canoa, Caxias do Sul, Cruz Alta, Erechim, Ijuí, Lajeado, Novo Hamburgo, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Santa Rosa, Santo Ângelo e Taquara.

Veja o mapa definitivo em https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br

País tem mais de 166 mil vítimas fatais

Conforme o Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass), foram registrados, nesta segunda-feira, 216 óbitos e 13.371 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 166.014 mortes e 5.876.464 de contaminados pelo novo coronavírus. 

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a  OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa. 

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Edição: Marcelo Ferreira