Rio Grande do Sul

Pandemia em números

RS já soma mais de 580 mil infectados e de 11.300 vítimas por conta da covid-19

Nas últimas 24 horas foram registrados no estado 3.301 novos casos e 56 óbitos

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Mapa preliminar traz 16 regiões do RS sob bandeira vermelha - Divulgação SES SEPLAG

O Rio Grande do Sul registrou 56 óbitos nas últimas 24 horas em decorrência da covid-19, conforme boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES) divulgado nesta sexta-feira (12). Com isso, já são 11.300 vidas perdidas no território gaúcho desde o início da pandemia. O estado também registra um total de 580.518 infectados pela doença, com a confirmação de 3.301 novos casos pela SES. Dos infectados até o momento, 554.489 (96%) são considerados recuperados e 14.670 (3%) em acompanhamento. 

Pelotas foi a cidade que mais registrou vítimas, sendo 5 óbitos, seguida de Porto Alegre e Canoas, com 4 óbitos cada; Alvorada e Viamão, com 3; Caxias do Sul, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Osório, Guaíba, Imbé e Terra de Areia, com 2 óbitos cada. Nenhuma outra cidade teve registro de mais de uma vítima fatal hoje. Dos 497 municípios gaúchos, apenas 64 não têm registro de vítimas fatais.

Às 18h desta sexta, a ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em todo o estado estava em 75,2%, sendo 2.010 pacientes em 2.674 leitos de UTI. Entre os internados, 842 (41,9%) têm covid-19 confirmada e 133 têm suspeita da doença.

Em Porto Alegre, a taxa de ocupação está em 89,81%. Os hospitais Moinhos de Vento e Mãe de Deus estão com as UTIs em lotação máxima, e mais sete hospitais estão com lotação acima dos 90%. Entre os 714 pacientes internados em estado grave na cidade, 285 têm covid-19 confirmada, 35 têm suspeita da doença e 15 estão na emergência aguardando UTI.

Mapa preliminar: 16 bandeiras vermelhas

Divulgado nesta sexta-feira (12), o mapa preliminar semanal do modelo de Distanciamento Controlado traz 16 regiões em bandeira vermelha e apenas cinco em laranja. Segundo o governo do estado, o resultado reflete o alto risco para esgotamento da capacidade hospitalar e a velocidade de propagação do vírus no estado.

De acordo com o mapa preliminar da 41ª rodada, 378 municípios (do total de 497) estão classificados em bandeira vermelha, somando 8,6 milhões de habitantes, o que corresponde a 76% da população gaúcha (total de 11,3 milhões de habitantes).

Desses, 164 municípios (703,8 mil habitantes, 6,2% da população gaúcha) podem adotar protocolos de bandeira laranja, porque cumprem os critérios da Regra 0-0, ou seja, não têm registro de óbito ou hospitalização de moradores nos últimos 14 dias, desde que a prefeitura crie um regulamento local.

Veja a classificação prévia da 41ª rodada em https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br/

Aglomerações seguem proibidas no Carnaval

Com o feriado de Carnaval, o Gabinete de Crise chama a atenção para que os gaúchos sigam respeitando os protocolos, principalmente quanto à higienização constante das mãos, evitem aglomerações e observem o uso obrigatório de máscara, em todas as bandeiras. “A segurança pública do estado, em conjunto com os municípios, está pronta para agir de maneira preventiva, evitando aglomerações e festas clandestinas. Mas precisamos que a sociedade gaúcha contribua e siga tomando todos os cuidados necessários”, frisou o vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior.

As festas de Carnaval estão proibidas, por não atenderem aos protocolos mínimos de segurança sanitária.

Casos na Serra preocupam

Segundo o governo do estado, o novo Boletim Genômico sobre as cepas de coronavírus no Rio Grande do Sul, finalizado nesta sexta-feira (12), registrou o primeiro caso da linhagem P1 no Rio Grande do Sul. O caso foi notificado em um morador de 88 anos da região da Serra, que apresentou os primeiros sintomas da doença no final de janeiro.

O P1 é uma variante da covid-19 que tem como característica já conhecida a maior capacidade de transmissão, ou seja, transmite mais rapidamente o vírus de uma pessoa para outra. A variante predominante no estado é a P2, ainda em estudos. “Não sabemos como irá evoluir o cenário a partir da interação das duas variantes no mesmo ambiente”, explica a diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (CEVS), Cynthia Molina Bastos.

As amostras sequenciadas que geram as informações do boletim fazem parte da estratégia de vigilância genômica que busca detalhar o perfil das variantes do RS. “Vamos ampliar o número de amostras da região da Serra para tentar identificar outros casos, ou determinar se é um caso isolado”, diz Cynthia.

Vacinação 

O RS recebeu, até o momento, 704.400 doses de vacina contra o coronavírus, sendo 588.400 vacinas CoronaVac, produzida pelo laboratório Sinovac em parceira com o Instituto Butantan, e 116 mil vacinas de Oxford/AstraZeneca, em parceria com a Fiocruz, conforme balanço do governo estadual. Já foram distribuídas 701.623 referentes à 1ª dose e a 2ª dose. Até as 18h de hoje (12), 288.194 pessoas foram imunizadas, sendo 284.616 com a primeira dose e 3.578 com a segunda.

Em Porto Alegre foram recebidas, até o momento, 128,05 mil doses destinadas a 115.287 pessoas do grupo prioritário. Até o momento foram vacinadas 82.072 pessoas, 71,19% do público-alvo. Já foram vacinados 56.183 profissionais de saúde (68,13% do total), 16.559 idosos e pessoas com deficiência institucionalizados, mais idosos acamados (99,64%), 8.259 idosos com 85 anos ou mais (56,08%) e 1.039 da população Indígena e Quilombola (68,04%). 

No Brasil já foram vacinados 4.782.609 pessoas com a primeira dose e 132.504 com a segunda, de acordo com a plataforma CoronavirusBot

Para coibir que pessoas fora dos grupos prioritários da campanha de vacinação contra a covid-19 sejam vacinados indevidamente, a Secretaria da Saúde e o Ministério Público do Estado lançaram um formulário para denúncias de possíveis “fura-filas” da vacina. O formulário pode ser acessado aqui. 

Brasil tem mais um dia com mais de mil mortes

O Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) registrou, em boletim publicado hoje (12), 1.288 óbitos e 51.546 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 237.489 mortes e 9.765.455 contaminados pelo novo coronavírus. 

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a  OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Edição: Marcelo Ferreira