Rio Grande do Sul

Pandemia avança

Pelo segundo dia consecutivo, RS ultrapassa sua lotação máxima em leitos de UTI 

Enquanto os leitos privados seguem superlotados, a ocupação dos leitos do SUS sobe a cada dia

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Imagem do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre - Silvio Avila/HCPA

Nesta quarta-feira (3), pelo segundo dia consecutivo, o Rio Grande do Sul ultrapassou sua capacidade de leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Às 18h, a ocupação estava em 101,3%, sendo 2.945 pacientes em 2.907 leitos de UTI. Dos internados, 1.887 (64,1%) tem diagnóstico positivo para a doença e mais 232 estão sob suspeita. A rede privada extrapolou sua capacidade, registrando 132,3% de lotação. Já o Sistema Único de Saúde ultrapassou a marca de 90%, registrando 91,3% dos leitos ocupados. 

A capital gaúcha voltou a extrapolar sua capacidade hospitalar, registrando ocupação de 102,73%. Os hospitais de Clínicas de Porto Alegre, Moinhos de Vento, Complexo Hospitalar Santa Casa e Independência ultrapassaram seu limite, tendo 109,58%, 130,30%, 101,35% e 120%, respectivamente. Os hospitais  São Lucas, Ernesto Dornelles, Divina Providência, Vila Nova, Restinga e Santa Ana estão com 100%. Os hospitais Nossa Senhora da Conceição, Mãe de Deu, Porto Alegre e Cristo Redentor estão acima de 90%. O Instituto de Cardiologia e o Hospital Femina estão acima de 80% e o Hospital Pronto Socorro de Porto Alegre, 75%. Dos 942 pacientes em cuidados intensivos na Capital, 561 têm covid-19 confirmada, 69 tem suspeita da doença e 138 positivados aguardam na emergência por leitos.

Nesta quarta-feira, o governo do RS publicou um vídeo em que os profissionais da linha de frente da saúde alertam sobre a grave situação no estado.

RS tem mais de 657 mil pessoas já infectadas

O Rio Grande do Sul registrou 180 óbitos nas últimas 24 horas pela covid-19, neste quarta-feira (3), de acordo Secretaria Estadual da Saúde (SES). Já são 12.833 vidas perdidas no território gaúcho em função da doença. A média móvel completa seis dias consecutivos de índice mais alto desde o começo da pandemia. A taxa de mortalidade está em 112,8 a cada 100 mil habitantes, com a letalidade aumentando, já em 2%. 

O estado também registra 657.509 infectados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, com a confirmação de 8.318 novos casos pela SES. Dos infectados até o momento, 610.800 (93%) são considerados recuperados e 33.814 (5%) estão em acompanhamento.

De acordo com a SES, Porto Alegre foi a cidade com o maior número de vítimas fatais, 38 óbitos, seguida de Canoas (13); Novo Hamburgo e Alvorada, tiveram 8 óbitos cada; Gravataí (5); Passo Fundo, São Leopoldo, Viamão e Igrejinha, 4; Sapiranga, Canela, Tramandaí e Alegrete, 3 óbitos; Caxias do Sul, Pelotas, Rio Grande, Sapucaia do Sul, Cachoeirinha, Farroupilha, Capão da Canoa, São Borja, Bagé, Cachoeira do Sul, Teutônia, Frederico Westphalen, Ivoti, Itaqui, Horizontina e Trindade do Sul, 2 óbitos cada. Nenhuma outra cidade teve registro de mais de uma vítima fatal hoje. Dos 497 municípios gaúchos, apenas 49 não têm registro de vítimas fatais.

Vacinação 

O governo do estado recebeu, até o momento, 923.600 doses da vacina contra a covid-19. Conforme balanço do governo estadual, já foram distribuídas 916.023 vacinas referentes à 1ª dose e a 2ª dose. Até as 18h de hoje(3), 610.835 pessoas foram imunizadas, sendo 496.027 com a primeira dose e 114.808 com a segunda dose.

O estado recebeu, nesta quarta, 174,8 mil doses de vacinas CoronaVac Butantã, que começará a ser distribuída aos municípios nesta quinta-feira (4). De acordo com o governo do estado, esse lote será destinado à aplicação da segunda dose em pessoas que já receberam a primeira. O esquema vacinal da CoronaVac prevê um intervalo de até 28 dias entre as duas aplicações.

Para coibir que pessoas fora dos grupos prioritários da campanha de vacinação contra a covid-19 sejam vacinados indevidamente, a Secretaria da Saúde e o Ministério Público do Estado lançaram um formulário para denúncias de possíveis “fura-filas” da vacina. O formulário pode ser acessado aqui. 

No Brasil, já foram vacinados 7.327.242 pessoas com a primeira dose e 22.266.182 com a segunda, totalizando 9.593.424 doses aplicadas, de acordo com a plataforma CoronavirusBot

País tem novo recorde de vítimas fatais em um dia

O Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) registrou, em boletim publicado hoje (3), 1.910 óbitos e 71.704 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 259.271 mortes e 10.718.630 contaminados pelo novo coronavírus.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a  OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua

Edição: Marcelo Ferreira