Rio Grande do Sul

Pandemia avança mais

RS tem mais de 730 mil infectados e 14.554 vítimas fatais por conta da covid-19

Estado segue até o dia 21 em bandeira preta e até o dia 31 com suspensão geral de atividades entre 20h e 5h

Brasil de Fato | Porto Alegre |
País já tem mais de 275 mil vítimas fatais - Fabiana Reinholz

O Rio Grande do Sul registrou 191 óbitos por covid-19 nesta sexta-feira (12), de acordo com o boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES). Já são 14.554 vidas perdidas no território gaúcho em função da doença. A taxa de mortalidade está em 127,9 a cada 100 mil habitantes, com a letalidade em 2%. O Rio Grande do Sul é hoje o terceiro estado com o maior número de mortes de covid-19 no Brasil, considerando o acumulado dos últimos sete dias.

O estado também registra 730.478 infectados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, com a confirmação de 10.183 novos casos pela SES. Dos infectados até o momento, 674.389 (92%) são considerados recuperados e 41.473 (6%) estão em acompanhamento.

De acordo com a SES, Porto Alegre foi a cidade com o maior número de vítimas fatais, sendo 41 óbitos. Dos 497 municípios gaúchos, somente 39 não têm registro de vítimas fatais.

UTIs seguem superlotadas

Às 18h desta sexta-feira, a ocupação das UTIs em todo estado estava em 105,5%, sendo 3.301 pacientes em 3.129 leitos de UTI. Dos internados, 2.469 (73,4%) têm diagnóstico positivo para a doença e mais 135 (4%) estão sob suspeita.

Enquanto na rede privada se mantém a superlotação, com 137,5% de ocupação, os leitos do Sistema Único de Saúde seguem perto do limite de vagas. Hoje o índice alcançou a marca de 97,85% em todo o estado. Dos 2.230 leitos em operação, 2.180 estão ocupados.

Já Porto Alegre segue com superlotação das UTIs, registrando ocupação de 110,90%. Ao menos oito hospitais estão atendendo além da sua capacidade, cinco estão em lotação máxima, dois trabalhando acima de 90% e os demais acima de 80%. Dos 1.099 pacientes em cuidados intensivos na Capital, 793 têm covid-19 confirmada, o maior número de internados desde o início da pandemia. Além disso, 38 tem suspeita da doença e 227 positivados aguardam na emergência por leitos.

“O enfrentamento da covid-19 é uma verdadeira guerra”

Nesta sexta-feira (12), o governador Eduardo Leite (PSDB), com objetivo de mais uma vez tentar conscientizar a população sobre a gravidade do momento, lançou um vídeo nas redes sociais do governo. De acordo com o Executivo estadual, atualmente o Brasil tem a maior média de mortes diárias no mundo, e a circulação em território nacional de uma variante agressiva do coronavírus.

“O enfrentamento da covid-19 é uma verdadeira guerra. Exige mobilização constate de todos nós, sem exceção. A situação é dramática e ela se complica a cada dia. Nesse momento, o Brasil está assistindo aí a maior média de mortes diárias do mundo e uma variante muito agressiva do coronavírus circulando por todo o país”, afirmou o governador na abertura do vídeo.

Leite também reforçou aquilo que os profissionais da linha de frente vêm falando à exaustão, o colapso no sistema e o desgaste daqueles que estão na linha de frente. Não há profissionais de saúde em número suficiente para um crescimento sem fim, e os profissionais de saúde, cada vez mais raros, estão absolutamente exaustos."

De acordo com o governador os esforços são permanentes no combate ao vírus. “Estamos ampliando a capacidade de atendimento intensivo para os pacientes mais graves, que não param de chegar aos nossos hospitais. Nossa missão é salvar vidas, com mais leitos, mais vacinas e com medidas de restrição de circulação”, pontuou. 

Leite salientou que as medidas rigorosas de restrição de circulação de pessoas, adotadas em fevereiro, ainda devem levar um tempo para produzir efeitos. E reforçou o pedido para que a população respeite o distanciamento social. "As medidas só vão produzir efeitos se a população entender a gravidade e seguir as regras. Precisamos de bom senso, responsabilidade e solidariedade nesta guerra. Estamos fazendo absolutamente tudo para melhorar a capacidade do sistema no atendimento à atual demanda da covid-19 no RS.”

As medidas mais duras – suspensão da cogestão regional e aplicação de protocolos de bandeira preta em todo o Estado – seguem vigentes pelo menos até o dia 21 de março. Já a suspensão geral de atividades entre 20h e 5h deve durar até 31 de março.


Brasil tem mais de 2 mil óbitos no dia novamente

O Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) registrou, em boletim publicado hoje (12), 2.216 óbitos e 85.663 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 275.105 mortes e 11.363.380 contaminados pelo novo coronavírus. 

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]


: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua

Edição: Katia Marko