Rio Grande do Sul

Coluna

As mulheres palestinas têm sido um espinho para autoridades de ocupação israelenses

Imagem de perfil do Colunistaesd
Mulheres palestinas lutam tanto na defesa da liberdade de culto nas mesquitas e igrejas de Jerusalém como de seu território e de sua cultura histórica - Reprodução Carta Capital
É urgente defender as sanções e o fim de todos os acordos de cooperação entre Brasil e Israel

É comum ouvirmos comparações entre a pandemia e um estado de guerra ou de sítio, mas esta analogia não retrata a realidade que enfrentam povos de territórios sob ocupação ou ataque. Ser mulher em uma sociedade que nos sobrecarrega com o conjunto das tarefas de cuidado, sob um contexto pandêmico, é difícil. Porém, não é comparável ao que vivem mulheres de povos sem direito à soberania.

O caso das mulheres palestinas é um exemplo da crueldade com que o patriarcado opera nestes casos. Elas sempre foram e são a primeira linha de defesa contra a ocupação israelense, que visa expulsá-las, seus filhos e maridos de sua própria terra para que a presença árabe muçulmana e cristã na cidade sejam apagadas sem deixar vestígios. A mais significativa das violações das condições sociais, econômicas e psicológicas a estas mulheres é a política de Israel de demolição de casas e deslocamento forçado, fazendo com que famílias inteiras tenham que deixar sua cidade natal, perdendo seu principal investimento e abrigo.

Durante a pandemia, muitos governos estaduais e municipais, no Brasil, desrespeitaram a decisão de não realização de despejos e isto é horrível. Agora imagina isto se tornar sistemático e tu não ter pra onde correr, ou com quem buscar abrigo, porque todo teu povo está na mesma?

A política colonialista de Israel inclui a revogação de cartões de identificação e autorizações de residência; assim, perdem o direito de residir permanentemente na cidade onde nasceram e foram criadas e o direito de retornar, transformando-as em refugiadas permanentes.

O confisco de terras e propriedades levou a níveis crescentes de pobreza em Jerusalém, agravado pela impossibilidade das mulheres de acessar o mercado de trabalho devido às restrições ao movimento entre cidades.

Por que trazer este tema à tona, em uma coluna de diálogos feministas?

Porque, neste momento, tramitam na Câmara dos Deputados dois acordos de cooperação entre o Estado Brasileiro e o Estado de Israel, a MSC 371/2019 e a MSC 556/2019, que foram assinados pelo desgoverno Bolsonaro em uma visita a Jerusalém, em 31/03/2019. Os acordos firmados entre os genocidas Netanyahu e Bolsonaro, visam fortalecer e beneficiar empresas, tecnologias e técnicas israelenses que estão conectadas à manutenção do regime ilegal de ocupação, apartheid, encarceramento e limpeza étnica do povo palestino. Os acordos também preveem que o Brasil hospede empresas diretamente responsáveis pela prática dessas violações.

Além disso, a aprovação de tais acordos resultaria no aprofundamento da repressão, riscos e ameaças aos movimentos devido ao intercâmbio de armas, dados e tecnologias de monitoramento e militarização com um regime que dispõe desses recursos justamente por utilizar o povo palestino como cobaia.

As mulheres palestinas têm sido um espinho para autoridades de ocupação israelenses, tanto na defesa da liberdade de culto nas mesquitas e igrejas de Jerusalém como de seu território e de sua cultura histórica. Estas mulheres são sujeitas às piores formas de tortura, antes e durante a detenção em prisões israelenses, sem o direito a defesa, são submetidas a espancamentos, interrogatórios demorados, pressão psicológica, revistas invasivas, ameaças de estupro e confinamento solitário.

O Estado de Israel está violando as normas internacionais estabelecidas pelas Nações Unidas com relação às mulheres prisioneiras, sujeitando as prisioneiras políticas palestinas a condições desumanas e degradantes impunemente. As mulheres periféricas brasileiras e palestinas sofrem com o racismo, o encarceramento e o luto pela perda de seus filhos e companheiros pela repressão policial e militar, e firmar tais acordos, irá reforçar e ampliar a opressão das mulheres lá na Palestina e aqui no Brasil.

Por isto escrevemos, porque é fundamental pressionar os deputados para reprovarem tais acordos. A sociedade civil como um todo, movimentos, feministas, sindicatos deveriam atender ao chamado de BDS (Boicote Desenvolvimento e Sanções) feito pelo povo palestino.

Claudia dos Santos - Frente Gaúcha de Solidariedade ao Povo Palestino

Edição: Katia Marko