Rio Grande do Sul

PANDEMIA NO RS

Ocupação de leitos de UTI na rede privada estadual volta a ultrapassar sua capacidade

Estado tem mais de 1,105 milhão de contaminados e mais de 28,6 mil vítimas fatais por conta da covid

Brasil de Fato | Porto Alegre |
País tem mais de 470 mil vidas perdidas para a covid-19 - Silvio Avila/Hospital de Clínicas de Porto Alegre

A ocupação geral das UTIs em todo o Rio Grande do Sul mantém tendência de alta, após ter superado os 80% na segunda-feira (24). Conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), às 18h desta sexta-feira (4), 88,1% dos leitos estavam sob uso. São 3.009 pacientes em 3.417 leitos de Us. Dos pacientes internados, 1.845 (61,3%) têm diagnóstico positivo para a doença e mais 144 (4,8%) estão sob suspeita.

Os leitos de UTI da rede privada ultrapassaram sua capacidade, registrando 101,4% de ocupação em todo o estado. Já os leitos do Sistema Único de Saúde têm ocupação de 83,4%. Dos 2.531 leitos SUS em operação, 2.110 estavam ocupados.

1.261 casos notificados nas últimas 24 horas

O Rio Grande do Sul registrou 54 óbitos em decorrência da covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim SES desta sexta-feira (4). Com isso, já são 28.663 vidas perdidas no território gaúcho em função da doença. 

A notificação de novos casos da doença foi de 1.261, o que elevou para 1.105.566 infectados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

De acordo com a pasta, Porto Alegre foi a cidade com o maior registro de vítimas fatais, sendo sete óbitos, seguida de Caxias do Sul e Passo Fundo e Rio Grande (5), Pelotas (3). Outras diversas cidades registraram, hoje, de um a dois óbitos. 

Dos 497 municípios gaúchos, somente cinco não têm registro de vítimas fatais. São eles Pedras Altas, Novo Tiradentes, André da Rocha, Benjamin Constant do Sul e Guabiju.

Ocupação dos leitos na Capital 

Também em nível de alerta e em tendência de alta, a ocupação dos leitos de UTI em Porto Alegre registrou a marca de 88,54% hoje. Dois hospitais estão com sua ocupação acima do limite e três com ocupação máxima.

Dos 827 pacientes em cuidados intensivos na Capital, 407 têm covid-19 confirmada. Além disso, 19 têm suspeita da doença e 19 positivados aguardam na emergência por leitos.

País tem mais de 470 mil vítimas fatais

O Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) registrou, em boletim publicado hoje (4), 1.454 óbitos e 37.936 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 470.842 mortes e 16.841.408 contaminados pelo novo coronavírus.

De acordo com o Conass, o RS é o quarto estado brasileiro em número de infectados e também o quarto em relação às vítimas fatais. 

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19. 

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]


: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Edição: Marcelo Ferreira