Rio Grande do Sul

MUTIRÃO

Cursinhos grátis abrem caminho para a periferia entrar na universidade

Voluntários se organizam para oferecer o apoio que falta à juventude sem recursos dos bairros e vilas de Porto Alegre

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Cursinho Popular Pré-Enem Afirmação que ocorre no Julinho integra a Rede Nacional de Cursinhos Populares Podemos+ - Foto: Divulgação

Como a juventude pobre das vilas e bairros pode enfrentar e vencer o desafio de ingressar na universidade? Esta é a tarefa que estão assumindo grupos, redes e comunidades da periferia de Porto Alegre. A saída encontrada foi a oferta de cursinhos preparatórios grátis, alguns surgidos a partir das próprias comunidades e organizados pelas lideranças de cada local. Um exemplo é o KiLomba–Pré-Vestibular Popular que, como diz seu nome, surgiu na Lomba do Pinheiro, zona Leste de Porto Alegre, bairro com população de 80 mil pessoas.

“É uma das regiões com mais baixa renda da cidade e, consequentemente, de mais baixa escolarização dos chefes de família”, comenta Tavama Nunes Santos, uma das articuladoras do cursinho. Moradora da Lomba do Pinheiro, ela é professora da rede municipal de ensino na escola Afonso Guerreiro Lima, também no bairro.

“Vontade de aprender e sonhar”


Cursinho gratuito na Lomba do Pinheiro inicia no dia 9 de maio / Arquivo Pessoal

O KiLomba nasceu em 2018 e abriu suas portas em 2019. Quando veio a pandemia, as aulas tiveram que ser remotas. Tavama explica que a eclosão da covid-19 impôs uma situação “extremamente precária” ao curso, tudo agravado ainda mais “devido à exclusão digital, ao atraso na vacinação, ao desemprego das famílias”. Neste ano, as aulas serão presenciais, começam em 9 de maio, de segunda a quinta-feira, das 19h às 22h.

E o que se pede aos jovens que procuram o cursinho? “Solicitamos a eles persistência, perseverança, vontade de aprender e de sonhar”, responde a professora.

Para quem estudou em escola pública

Outra iniciativa é o Cursinho Popular Pré-Enem Afirmação. Neste ano, suas aulas começarão na segunda quinzena de maio e vão acontecer no Julinho, o Colégio Estadual Júlio de Castilhos. A previsão é acolher uma turma de 25 a 30 alunos que, antes de serem aceitos, passam por uma entrevista. Pede-se apenas que o estudante comprove estudo em escola pública. As aulas vão ocorrer de segunda a quinta-feira, no horário das 18h30 às 22h.

“Normalmente começamos as aulas na última semana de março, contudo estamos transicionando do EAD (ensino à distância) para o presencial e isso tem atrasado nossos planos”, comenta Tomaz Brunet. Junto com outros oito educadores, ele trabalha na coordenação político pedagógica do curso e também leciona a disciplina de Atualidades.


Cursinho Popular Pré-Enem Afirmação foi construído pelo Levante Popular da Juventude / Foto: Divulgação

Criado em 2015, o Afirmação integra a Rede Nacional de Cursinhos Populares Podemos+. É uma rede impulsionada e construída pelo Levante Popular da Juventude, movimento social que atua com jovens da periferia e da universidade. Brunet conta que, a cada ano, a taxa de aprovação oscila entre oito e 15 educandos. O número de educadores também varia.

“Em 2019, antes da pandemia, tínhamos 36. Durante a pandemia, chegamos a ter 45, incluindo psicólogas e assistente social. Os educadores são voluntários, todos da região metropolitana de Porto Alegre”, relata. Nota ainda que o curso tem a colaboração também do Julinho, incluindo alguns professores do colégio.

Seis meses de curso

A mobilização se reproduz nos bairros Santa Rosa de Lima, Norte da capital gaúcha, Restinga, no Sul, e também na área do Centro Histórico. Ali funcionam as aulas do Emancipa, movimento social de educação popular presente em vários estados do Brasil. No Centro Histórico estudam duas turmas de 50 alunos cada. Na unidade Santa Rosa de Lima são 35 vagas para estudantes da comunidade.

“Na Restinga, as inscrições ainda não abriram, mas a proposta é que sejam oferecidas 30 vagas”, acrescenta a professora Nina Becker, que leciona sociologia no Emancipa e é também membro da executiva nacional da Rede Emancipa.


Rede Emancipa promove cursinhos nos bairros Santa Rosa de Lima, Restinga e Centro Histórico / Foto: Divulgação

O curso pré-universitário da Rede Emancipa dura seis meses - de meados de abril até, pelo menos, as provas do Enem, em novembro.

Na unidade Santa Rosa de Lima todas as pessoas envolvidas, desde a coordenação do curso, incluindo ainda os professores e estudantes, são todos da comunidade e arredores, como os bairros Mário Quintana e Rubem Berta. No Centro, as aulas acontecem de segunda a quinta-feira, das 14h às 17h30 (turma da tarde) e das 18h30 às 21h30 (turma da noite).

Três unidades e 30 professores

Para quem estranha um curso na região central voltado à periferia, Nina esclarece que, embora boa parte dos estudantes e dos professores sejam moradores de comunidades periféricas, transitam diariamente pelo centro.

Neste ano, as três unidades somam mais de 30 professores. Pelo menos, 10 deles são ex-alunos do cursinho que começam a dar aulas ainda no seu período de graduação. Outros são professores que já tiveram ou ainda estão tendo experiências nas redes públicas e privadas de ensino em Porto Alegre e região Metropolitana. Todos são voluntários.

“Ao longo da história do Emancipa no Rio Grande do Sul – informa Nina – mais de 300 estudantes foram aprovados nos cursos nas universidades públicas ou aquinhoados com bolsas do ProUni ou Fies.”

PARA SABER MAIS

KiLomba - O KiLomba funciona na avenida João de Oliveira Remião, 4444, parada 10. As inscrições online estarão abertas até o dia 29 deste mês. Seu formulário está no link facebook.com/cursoprevestibularpopularkilomba. Outras informações podem ser obtidas através do endereço [email protected]

Emancipa - O contato do Emancipa é [email protected]. Também os (as) interessados (as) podem contatar as redes sociais do grupo: facebook.com/emancipa.org | Instagram: @emancipaportoalegre.

Afirmação – Informações estão no Instagram: @cursinhoafirmacao e no email [email protected]


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

Edição: Marcelo Ferreira