Rio Grande do Sul

Crime

Acusado de assassinar trabalhador metalúrgico em São Leopoldo segue foragido

Trabalhador foi morto por colega de trabalho nesta segunda-feira (6), dentro da empresa Sulcromo, por desavença banal

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Imagens mostram Marcelo andando, já ferido, com o agressor logo atrás - Reprodução

O responsável pela morte do trabalhador Marcelo Camillo, 36 anos, ainda encontra-se foragido da justiça. O metalúrgico morreu nesta segunda-feira (6), em decorrência de ferimentos causados por arma branca, efetuados por um colega de trabalho, dentro da empresa Sulcromo, localizada na cidade de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de São Leopoldo e Região (STIMMMESL), a agressão foi causada por desentendimento entre os colegas durante o turno da manhã, relacionada ao horário do café. O agressor atingiu Marcelo no peito com um instrumento metálico pontiagudo. O atingido chegou a ser socorrido e encaminhado a um hospital, mas não resistiu e veio a óbito.

Conforme as imagens da câmera de segurança do local, disponibilizadas pela empresa à Polícia Civil, após a agressão, o acusado largou a arma do crime em cima de uma mesa. A mesma foi apreendida e será periciada pelo Instituto Geral de Perícias (IGP). Ainda não se sabe se o instrumento era uma ferramenta de trabalho ou se era de fabricação e uso pessoal do acusado. Após o ato, o autor do ataque fugiu da fábrica e ainda está sendo procurado pela Polícia, sendo que seu nome não foi divulgado.

As informações iniciais davam conta de que o acusado seria um supervisor com alguma ascendência sobre Marcelo, o que foi desmentido pela empresa. Em depoimento ao Brasil de Fato RS, o presidente do STIMMMESL, Valmir Lodi, confirmou a informação de que o suspeito era, na verdade, um colega de trabalho.

Valmir também informou que esteve na empresa nesta terça-feira (7), para receber mais informações sobre o fato. Relatou que os colegas de trabalho que estavam presentes durante a agressão confirmaram os fatos, não restando dúvidas de que o suspeito (que não teve a identidade revelada) foi o autor da agressão que culminou em morte.

O presidente do Sindicato também informou que acompanhará, junto à empresa, os pagamentos à que família do trabalhador teria direito. As investigações seguem na Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP). O delegado André Serrão comanda o inquérito.

Confira, a seguir, as imagens das câmeras de segurança disponibilizadas pelo Jornal VS:


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

PRECISAMOS DO SEU APOIO

Brasil de Fato RS não cobra nenhum tipo de assinatura dos leitores, todas nossas informações são gratuitas. Por isso, precisamos do seu apoio para seguir na batalha das ideias.

CONTRIBUA através do PIX 55996384941 (celular), em nome do Instituto Cultural Padre Josimo.

A democratização da comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Edição: Katia Marko