Rio Grande do Sul

BALANÇO

RS tem 32 óbitos e 501 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Já são 759 vítimas e 32.401 casos confirmados da doença no estado; seis regiões ficam sob bandeira vermelha

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Atualização do distanciamento controlado coloca 52,9% da população gaúcha sob risco alto nesta semana - Divulgação SES SEPLAG

O Rio Grande do Sul registrou 32 óbitos nas últimas 24 horas em decorrência do novo coronavírus, conforme boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES) desta segunda-feira (06). O número é igual ao recorde de mortes em um dia registrado em 30 de junho e, somado com outros 32 óbitos ocorridos no final de semana, eleva o total de vítimas para 759 no estado.

Já o número de novos casos de covid-19 nesta segunda foi de 501. Somados os 1.656 casos de pacientes com contaminação registrada entre sábado e domingo, já são 32.401 casos confirmados da doença desde o início da pandemia, em 418 dos 497 municípios gaúchos.

Entre os novos óbitos associados ao novo coronavírus nesta segunda, 5 são de residentes de Porto Alegre, 5 de Novo Hamburgo, 3 de Bento Gonçalves, 2 de Canoas e 2 de Viamão. Registraram uma morte os municípios de Alegrete, Caxias do Sul, Crissiumal, Dois Irmãos, Esteio, Gravataí, Júlio de Castilhos, Lagoão, Passo Fundo, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, Santo Ângelo, São Leopoldo, Sapiranga e Três Passos.

UTIs cada vez mais lotadas

A taxa de ocupação dos leitos de Unidade de terapia Intensiva (UTI) está em 73,3% no estado, com 1.626 pacientes internados. Desses, 473 estão ocupados por pacientes com covid-19 confirmada e outros 165 com suspeita da doença. As cidades de Sapucaia do Sul, São Leopoldo, Gravataí, Sapiranga, Santiago, Três de Maio, Sarandi, Espumoso estão com todas as vagas de UTI ocupadas. Em Porto Alegre, que está com taxa de ocupação de 82,45%, são 178 pacientes internados com covid-19 e 38 com suspeita.

A fim de frear o avanço da covid-19 na capital, a prefeitura de Porto Alegre publicou um novo decreto com regras mais rígidas de distanciamento social. Entre outras restrições, o decreto estipula o fechamento por 15 dias de salões de beleza, academias e Mercado Público, além de proibição para estacionar na Área Azul, interdição de parques, como a Orla do Guaíba, e, a partir de quinta-feira (9), bloqueio de vale-transporte para trabalhadores de estabelecimentos que não estão autorizados a funcionar.

Mais de metade da população gaúcha em risco alto

Na tarde desta segunda-feira, em videoconferência, o governador Eduardo Leite apresentou as bandeiras definitivas do distanciamento controlado que valem a partir desta terça-feira (07), após o período de pedidos de reconsideração dos municípios. As regiões de Palmeira das Missões e Pelotas entraram para a bandeira vermelha, junto das regiões que já estavam classificadas com risco alto: Porto Alegre, Novo Hamburgo, Canoas e Capão da Canoa. Segundo Leite, 52,9% da população do estado vive nessas regiões.

Já as regiões de Taquara, Erechim, Passo Fundo e Caxias do Sul, que na atualização preliminar apareciam em vermelho, tiveram a revisão e seguem sob a cor laranja. Além disso, dos 155 municípios que estão nas regiões de bandeira vermelha, 87 podem seguir o protocolo da bandeira laranja, já que não registram óbitos ou hospitalização nos 14 anteriores.

Segundo o governador, o Rio Grande do Sul vive uma situação de agravamento do quadro e, embora com situação melhor que no restante do país, não é momento de relaxar. Ele destacou que a Região Metropolitana é a que apresenta o quadro mais preocupante. "O aumento de casos de covid-19 é consistente e persistente no sistema de saúde. Se esta região sofrer problemas, todo o Rio Grande do Sul será afetado porque ela é um grande pulmão de estrutura de saúde", afirmou.

Mais de 65 mil mortes no Brasil

Em todo o Brasil, nas últimas 24 horas, foram 620 óbitos e 20.229 novos casos de covid-19, segundo dados do Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) atualizados às 18h desta segunda. Com isso, já são 65.487 mortes e 1.623.284 pessoas infectadas pelo novo coronavírus no país.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a  Organização Mundial de Saúde (OMS), em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]

Edição: Marcelo Ferreira