Rio Grande do Sul

Saúde Pública

Rede Brasileira de Cooperação em Emergências realiza congressos virtuais

I Congresso Brasileiro de Políticas e Sistemas de Atenção às Urgências e Acesso Hospitalar visa melhorar o SUS

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Congresso irá discutir implementação e melhorias de políticas públicas no atendimento de emergências no SUS - RBCE

O I Congresso Brasileiro de Políticas e Sistemas de Atenção às Urgências e Acesso Hospitalar será uma iniciativa da Rede Brasileira de Cooperação em Emergências (RBCE) e será realizado de forma virtual, de 6 a 12 de dezembro de 2020, pela plataforma Zoom. O tema central será “Os Direitos Humanos na Atenção às Urgências e no Acesso Hospitalar do SUS em Tempos de Coronavírus: Pacientes e Profissionais no centro da crise e seus papéis na construção do futuro”.

A RBCE já tem 25 anos de existência, concebendo e implementando melhorias nas Políticas e Redes de Atenção às Urgências no processo de consolidação do SUS. O marco deste primeiro Congresso foi ampliado através do diálogo com várias entidades sindicais, movimentos sociais e instituições públicas para promover uma aliança para a convocatória e alinhamento do programa. Por isso, o Congresso se propõe a ser um espaço de debates políticos e sociais a não apenas um espaço de especialistas nos temas propostos.

Temática do Congresso

O centro da reflexão do Congresso será em torno de proposta de 4 x 4: de estabelecer como meta pública um tempo máximo de permanência nos serviços de urgências de 4 a 8h, conforme as necessidades dos pacientes e neste tempo garantir definição de diagnóstico e início de tratamento efetivo. E, para o caso de requerer hospitalização, buscar a oferta de 4 leitos de internação para cada mil habitantes.


Proposta para o I Congresso é "4x4": 4h horas para atender e 4 leitos para cada mil habitantes / RBCE

Esta proposta foi construída ao longo dos anos a partir da análise de necessidades comparativas internacionais e busca garantir a materialidade do direito humano à saúde no país no marco do SUS. O impacto da Pandemia no Brasil tornou visível esta necessidade de garantir os tempos de espera e permanência nos serviços de saúde para todas as patologias, por isso o Congresso também discutirá a proposta de criação de uma Aliança Cidadã pelos Tempos de Espera Clinicamente Aceitáveis, o que implica os tempos para diagnóstico e tratamento das patologias com o objetivo de alcançar o melhor resultado prognóstico, garantindo equidade no acesso aos meios de atendimento e nos resultados clínicos.

"Queremos um SUS público do tamanho e da qualidade que as respostas às necessidades derivadas do Direito Constitucional à Saúde merecem. Queremos recuperar a Saúde como Direito de [email protected] e Dever do Estado", afirma texto da convocatória para o Congresso.

A organização do evento também informa que os temas deste I Congresso se aliarão ao marco das mobilizações da 6ª Semana Social Brasileira da CNBB, como parte das reflexões dos 3 T's da Economia de Francisco: Terra, Teto e Trabalho, onde a atenção à saúde ganha presença em um ‘’Teto’’ que representa o conjunto das Proteções Sociais como Direitos.

"Nossa intenção é projetar o tema central do Congresso e seus desdobramentos em uma agenda política, social, econômica e acadêmica compartilhada e orientada a enfrentar os problemas que cercam a atenção às urgências, a atenção especializada e o acesso hospitalar no trans e pós Pandemia" afirma a organização do Congresso.

Programação e como participar:

Para maiores informações sobre o programa do Congresso e suas atividades preparatórias e de seguimento pós Congresso favor verificar o site da RBCE, onde também é possível fazer as inscrições e ver detalhes do programa.

No Facebook e Youtube da RBCE serão transmitidas as atividades, onde ficarão gravadas, posteriormente

Aqui, o link direto para o formulário de inscrição.


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Edição: Katia Marko