Rio Grande do Sul

Pandemia em números

Com 49 óbitos, RS se aproxima de 30,5 mil vítimas fatais por conta da covid-19

Nas últimas 24 horas o estado registrou 1.261 novos casos, totalizando 1.183.398 infectados desde o início da pandemia

Brasil de Fato | Porto Alegre |
País soma mais de 502 mil vítimas fatais; RS permanece como o quarto estado em relação à vidas perdidas - Reprodução/Rio da Paz

O Rio Grande do Sul registrou 49 óbitos por covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SES) desta segunda-feira (21). Com isso, já são 30.450 vítimas fatais por conta da doença no estado. 

Foram notificados hoje 1.261 novos casos da doença, o que elevou o total de infectados desde o início da pandemia para 1.183.398 pessoas. 

De acordo com a pasta, Pelotas foi a cidade com o maior registro de vítimas fatais, sendo cinco óbitos, seguida de Viamão (4), Tramandaí e Augusto Pestana (2). Outras diversas cidades registraram ao menos um óbito.

Dos 497 municípios gaúchos, somente cinco não têm registro de vítimas fatais. São eles Pedras Altas, Novo Tiradentes, André da Rocha, Benjamin Constant do Sul e Guabiju.

Ocupação das UTIs em alerta

A ocupação geral das UTIs em todo o Rio Grande do Sul segue em patamar de alerta, com ocupação em 86,6%, conforme dados da SES atualizados às 18h desta segunda-feira. São 2.940 pacientes em 3.396 leitos de UTIs. Dos pacientes internados, 1.797 (61,2%) têm diagnóstico positivo para a doença e mais 124 (4,2%) estão sob suspeita.

Os leitos de UTI da rede privada está próximo a sua capacidade total em todo o estado, registrando 97,8% de ocupação. Já os leitos do Sistema Único de Saúde têm ocupação de 82,5%. Dos 2.531 leitos SUS em operação, 2.088 estavam ocupados.

Ocupação dos leitos na Capital 

Também em nível de alerta, a ocupação dos leitos de UTI em Porto Alegre registrou a marca de 84,77%. Um hospital ultrapassou sua capacidade e três hospitais estão com ocupação máxima, conforme dados da Secretaria Municipal da Saúde.

Dos 785 pacientes em cuidados intensivos na Capital, 363 têm covid-19 confirmada. Além disso, 13 têm suspeita da doença e 12 positivados aguardam na emergência por leitos.

País tem mais de 502 mil vítimas fatais  

O Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) registrou, em boletim publicado hoje (21), 761 óbitos e 38.903 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 502.586 mortes e 17.966.831 contaminados pelo novo coronavírus.

De acordo com o Conass, o RS é o quarto estado brasileiro em número de infectados e também o quarto em relação a vítimas fatais. 

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19. 

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Edição: Marcelo Ferreira