Rio Grande do Sul

Pandemia em números

RS tem mais um dia consecutivo com 5 mil novos casos diários confirmados de covid-19

Campanhas de vacinação ainda são incertas; Falta de oxigênio e aumento de mortes forçam toque de recolher em Manaus

Brasil de Fato | Porto Alegre |
Capital do Amazonas volta a viver caos na saúde, com aumento no número de mortes e falta de oxigênio - Michael Dantas/AFP

O Rio Grande do Sul registrou 91 óbitos nas últimas 24 horas pela covid-19, conforme boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES) divulgado nesta quinta-feira (14). Com isso, já são 9.790 vidas perdidas no território gaúcho desde o início da pandemia.

O estado também já registra 495.585 infectados pela doença, com a confirmação de 4.923 novos casos pela SES. Dos confirmados, 468.848 (95%) são considerados recuperados.

Canoas foi a cidade que mais registrou óbitos nas últimas 24h, com 13 vidas perdidas, seguida por Porto Alegre (7), Caxias do Sul (7) e Santa Maria (4).

São Leopoldo, Pelotas, Lajeado, Cachoeirinha e Candelária registraram 3 mortes cada. Passo Fundo, Alvorada, Sapucaia do Sul, Campo Bom, Capão da Canoa e São Borja registraram 2 mortes cada. Nenhuma outra cidade teve registro de mais de uma vítima fatal.

A quantidade de municípios que ainda não registraram mortes por covid-19 segue caindo: dos 497 municípios gaúchos, apenas 79 não têm registro de vítimas fatais.

Estado está pronto para começar imunização, só falta chegarem as vacinas

A secretária estadual da Saúde do Rio Grande do Sul, Arita Bergmann, anunciou na manhã desta quinta-feira (14) que a logística necessária para a vacinação no estado está pronta. Conforme a secretária, a data de início depende somente do governo federal disponibilizar as vacinas. Confira a matéria completa.

Nesta primeira etapa um milhão de pessoas serão imunizadas no Rio Grande do Sul, começando pelos grupos prioritários definidos: profissionais que atuam na linha de frente e têm contato direto com o vírus, como pessoas que trabalham em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), centros de triagem e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu); idosos em lares de longa permanênciaidosos fora desses lares escalonados por faixa etária (mais de 80 anos; de 75 a 79 anos; de 70 a 74 anos); e indígenas e quilombolas.

Taxa de Ocupação de leitos está em 77%

Às 18h de hoje, a ocupação em todo o estado estava em 77,3%, sendo 2.040 pacientes em 2.640 leitos de UTI. Ainda não estão contabilizados pelo estado os novos leitos que estão sendo implementados. Na rede privada, a ocupação era de 85,5% e no Sistema Único de Saúde, 74,2%. Entre os internados, 849 (41,6%) têm covid-19 confirmada e 127 têm suspeita da doença.

Em Porto Alegre, a quantidade de pacientes com covid-19 segue abaixo de 300. A taxa de ocupação das UTIs fechou o dia em 87,4%.

Hospital Cristo Redentor e Moinhos de Vento seguem com a lotação máxima, sendo que o Instituto de Cardiologia, Hospital Nossa Senhora da Conceição, Ernesto Dornelles e Vila Nova estão com mais de 90% de seus leitos de UTI ocupados.

Entre os 696 pacientes internados na cidade, 278 têm covid-19 confirmada, 27 têm suspeita da doença e 8 estão na emergência aguardando UTI.

País registra mais de mil mortes nas últimas 24h, pelo terceiro dia consecutivo

O Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass) registrou, em boletim publicado hoje (14), mais 1.131 óbitos e 67.758 infectados em todo o país. Com isso, o Brasil já soma 207.095 mortes e 8.324.294 contaminados pelo novo coronavírus.

Falta de oxigênio e aumento de mortes por covid forçam toque de recolher em Manaus

Reportagem do Brasil de Fato traz relatos de familiares de pacientes internados por covid-19 e profissionais da saúde em Manaus, na capital do Amazonas, indicando que a situação se agravou nas últimas horas devido à escassez de oxigênio. Segundo o presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas, Mário Vianna, em um vídeo publicado na internet, pacientes estão sendo mantidos vivos “pelo esforço dos profissionais médicos, enfermeiros e técnicos”. 

Plano de vacinação “copiado” da Europa ignora desigualdade brasileira, critica médico

A ordem de imunização contra a covid-19 proposta pelo governo Bolsonaro, na opinião do médico sanitarista Gonzalo Vecina, está em descompasso com a realidade do Brasil. Para o ex-presidente da Anvisa, entretanto, a prioridade prevista do Plano Nacional de Imunização (PNI) é inadequada e deveria passar por novas modificações. Confira a entrevista completa.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a  OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.  

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 - Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email [email protected]


:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato RS no seu Whatsapp ::

SEJA UM AMIGO DO BRASIL DE FATO RS

Você já percebeu que o Brasil de Fato RS disponibiliza todas as notícias gratuitamente? Não cobramos nenhum tipo de assinatura de nossos leitores, pois compreendemos que a democratização dos meios de comunicação é fundamental para uma sociedade mais justa.

Precisamos do seu apoio para seguir adiante com o debate de ideias, clique aqui e contribua.

Edição: Katia Marko